Brasil é o 3º país em que pessoas passam mais tempo em aplicativos

© Istock As pessoas passaram 3 horas e 40 minutos, em média, utilizando aplicativos (também conhecidos como apps) em 2019. O índice é 35% maior do que em 2017. As informações são do principal relatório sobre o tema no mundo, da consultoria App Annie. A edição de 2020 foi divulgada ontem (15). O Brasil ficou … Leia Mais




Restituição do DPVAT, para quem pagou valor mais caro, iniciará no dia 15


                                             – Foto: Arquivo/Agência Brasil

Com a decisão do presidente do Supremo Federal, ministro Dias Tofolli, que autorizou na semana passada a redução dos valores do seguro obrigatório DPVAT 2020, os donos de veículos que pagaram o seguro, antes da redução do valor, podem solicitar a restituição da diferença paga. A redução chega a 86% no valor do seguro. Para quem tem carro, por exemplo, o valor passou de R$ 16,21 para R$ 5,23.  Com a decisão do presidente do Supremo Federal, ministro Dias Tofolli, que autorizou na semana passada a redução dos valores do seguro obrigatório DPVAT 2020, os donos de veículos que pagaram o seguro, antes da redução do valor, podem solicitar a restituição da diferença paga. A redução chega a 86% no valor do seguro. Para quem tem carro, por exemplo, o valor passou de R$ 16,21 para R$ 5,23.  Com a decisão do presidente do Supremo Federal, ministro Dias Tofolli, que autorizou na semana passada a redução dos valores do seguro obrigatório DPVAT 2020, os donos de veículos que pagaram o seguro, antes da redução do valor, podem solicitar a restituição da diferença paga. A redução chega a 86% no valor do seguro. Para quem tem carro, por exemplo, o valor passou de R$ 16,21 para R$ 5,23. 

O DPVAT é o seguro obrigatório para danos pessoais que deve ser pago todo ano pelos donos de veículos. Quando ocorre algum acidente de trânsito com morte, invalidez permanente ou ferimentos de menor gravidade, quem pagou o DPVAT tem direito a receber uma indenização que vai de R$ 2.700 a R$ 13.500. 

A seguradora Líder, que é responsável pelo DPVAT, vai restituir a diferença do valor deste ano para quem já quitou o seguro. O pedido pode ser feito pela internet e o dinheiro será devolvido por meio de depósito em conta corrente ou conta poupança do proprietário do veículo. Para pedir a restituição do  DPVAT é preciso informar o CPF ou CNPJ do dono do veículo, Renavam, e-mail e telefone de contato. O proprietário também deve informar quando pagou o  DPVAT 2020, qual o valor pago e os dados bancários para restituição.

O pedido será processado em até dois dias úteis e o pagamento será efeito logo em seguida. O recurso estará disponível por meio do endereço restituicao.dpvatsegurodotransito.com.br a partir de 15 de janeiro. É importante destacar que o site receberá somente os pedidos de restituição da diferença de valores pagos referente ao Seguro DPVAT 2020.

Para o proprietário que pagou o Seguro DPVAT 2020 duas ou mais vezes, a solicitação da restituição destes valores deve ser feita pelo https://www.seguradoralider.com.br/Contato/Duvidas-Reclamacoes-e-Sugestoes.

Os proprietários de frotas de veículos devem enviar um e-mail para [email protected]


Henrique Peregrino da Trindade faz peregrinação em São Felipe


O missionário Henrique Peregrino da Trindade foi apresentado à população de São Felipe na noite do ultimo domingo (13/01), pelo Padre Damião no final da Santa Missa. Padre Marco Antônio, pároco da Paroquia São Filipe e São Tiago, já vindo divulgando a programação e o roteiro de Henrique nas comunidades da Paroquia.

Henrique falou sobre sua alegria em está visitando a Paroquia São Filipe e São Tiago. “É um momento de muita alegria estar aqui nesta grande Paroquia, e nossa proposta é dá um grande abraço na paroquia andando. Estamos saindo aqui da Matriz, iremos caminhar a semana toda, por diversas comunidades, onde podemos ser acolhido e rezar, viver a palavra de Deus, partilhar a vida, e no próximo sábado retornaremos aqui pra matriz. E assim testemunhar o evangelho vivo, vivido, nesta paroquia em todas as comunidades. E nos pés deste peregrino levar uma leveza e ternura deste evangelho. É uma imensa troca, entre aquilo que vivido pela paroquia em suas pequenas comunidades e pela matriz e aquilo que os peregrinos leva pelo caminho e no coração”, destacou ele.

Ele comentou sobre seu chamado para missão, ”é uma longa jornada são mais trinta anos vivendo como peregrino, já atravessei aqui por outras vezes, é um desejo de seguir Jesus peregrino, como Jesus Peregrino”, pontuou Henrique.

“Jesus nasceu em uma vida polida, não tinha casa, não tinha nem uma pedra onde repousar a cabeça, e nos convida a esse despojamento, há essa entrega radical, para poder anunciar o Evangelho com a vida, e não apenas com as palavras”, comentou Henrique.

Veja a seguir o vídeo com a entrevista com Henrique Peregrino da Trindade.

Padre Marco Antônio pároco da Paroquia São Filipe e São Tiago, comenta sua experiência peregrina com Henrique Peregrino.

Josenilson missionário da Trindade, fala seu amadurecimento espiritual com a Peregrinação.

Irmã Alicia aponta a importância deste tipo de experiência no crescimento espiritual. “É preciso viver o Evangelho”, aponta ela.


Brasileiros tiveram que sair às pressas de casa na Austrália em virtude da fumaça


                                                                             Foto: Reprodução / G1

“O céu estava absolutamente laranja, parecia o apocalipse. Os animais subiam em cima das casas e corriam nas ruas para fugir do fogo. Eu acompanhava o site de alertas do governo e, quando vi que havia focos de incêndio perto da minha casa, saí para conferir. Da frente de casa vi o fogo. Liguei para o meu namorado e disse: ‘nós temos que sair daqui agora'”.

O relato cinematográfico é da brasileira Fernanda Gazal, 30, empresária e consultora de imagem que vive na Austrália há quatro anos. Ela morava na cidade costeira de Port Macquarie e já se planejava para se mudar no fim de novembro para Sydney, a cerca de 400 km, mas o fogo a obrigou a sair às pressas no começo daquele mês.

A estudante de música Tainá de Oliveira Mourão, 24, que mora em Sydney, também teve a vida afetada pelos incêndios. A fumaça que chegou à cidade provocou uma reação alérgica que a levou ao consultório médico. “Começaram a surgir hematomas roxos na minha perna que cresceram e deixaram a minha perna inteira cheia de manchas. A médica que me examinou disse que tive uma reação alérgica forte por ingestão de fumaça e que não havia muito que pudesse ser feito além de beber muita água e usar máscara no rosto, caso precisasse sair de casa”, diz.

Pedro Henrique Silva Pelicioni, doutorando de saúde pública na Universidade de Nova Gales do Sul, tem asma e precisou voltar a usar bombinhas.

“Eu costumava correr ao ar livre, mas agora tenho que ir à academia. Sinto que minha condição cardiorrespiratória está muito prejudicada, me canso mais rápido”, diz. Pelicioni esteve de férias no Brasil em dezembro e conta que ao voltar para a Austrália encontrou o país em situação pior. “O céu estava alaranjado, e logo que cheguei senti dificuldade para respirar”, diz.

Sydney não foi afetada diretamente pelo fogo, mas viu o dia a dia da cidade mudar com a chegada da fumaça de focos de incêndio no seu entorno. Muitos cidadãos foram dispensados de comparecer às universidades caso não tivessem compromissos inadiáveis, e as empresas instruíram funcionários a trabalhar de casa.

 Ajuda brasileira contra incêndios Diante da situação, brasileiros que vivem na cidade reuniram voluntários e estão viajando para regiões afetadas próximas para ajudar nos reparos e na reconstrução de casas e fazendas afetadas.

O carpinteiro Fabrício Festugato, 45, tem amigos em Old Bar, cidade a 315 km ao norte de Sydney. No início dos incêndios, ajudou os conhecidos a colocarem a vida de volta nos trilhos, mas, comovido com o alastramento dos incêndios e das perdas, criou o grupo BBA (Brazilian Bushfire Aid –Ajuda Brasileira contra Incêndios, em português).

Hoje, cerca de 200 pessoas divididas em grupos atuam em pelo menos três regiões do país. Fabrício dirige sua caminhonete por horas nos finais de semana para ajudar os mais atingidos.

“O governo disponibiliza material para a reconstrução de cercas e instalações emergenciais e nós usamos nossas próprias ferramentas. Temos também o apoio do Blaze Aid, uma ONG que há anos socorre a população australiana em catástrofes. Eles constroem acampamentos para os atingidos e, quando não há mais risco de incêndios, nos juntamos a eles para reconstruir”, diz.

Lucas Oliveira, 27, estudante de gestão, também faz parte do grupo. “Quando todos se deram conta do caos e dos estragos, com morte de milhares de animais, pessoas perdendo suas casas e até a vida, começou uma mobilização. Diversos moradores de bairros que não estavam sendo afetados começaram a arrecadar doações e dinheiro para ajudar as populações afetadas”, afirma.

Também estão em ação na Austrália os salva-vidas, como a brasileira Michelle Medeiros, que está em Cronulla, em Sydney, para ajudar a Cruz Vermelha a organizar doações e realizar salvamentos nas praias. Medeiros conta que alguns colegas que têm licenças para pilotar botes foram remanejados para ajudar no sul do país.

Até o momento, pelo menos 24 pessoas morreram e 2.000 casas foram destruídas. Quase cem mil pessoas tiveram que abandonar suas casas em cinco regiões de Melbourne no último dia 30 de dezembro. A cidade, a segunda mais populosa do país, teve estado de emergência decretado. Na cidade de Mallacoota, a mais de 500 km de distância de Melbourne, cerca de 4.000 pessoas também tiveram que deixar suas casas. (G1)


Juiz das garantias, PGR sugere prazo de um ano para implantar


                                                                          Foto: Antonio Augusto / Secom PGR

A Procuradoria-Geral da República afirmou, em memorando enviado ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) nesta quinta (9), que a implantação do juiz das garantias é inviável até o dia 23 deste mês, como prevê a lei aprovada pelo Congresso, e defendeu que ela seja feita de forma paulatina ao longo de 2020.

 

Um dos problemas citados pela PGR é que cerca de 20% das comarcas e subseções da Justiça Federal têm um único juiz. Para esses casos, a lei prevê que haja um rodízio de magistrados, o que só é possível, segundo a PGR, se os processos tramitarem em formato eletrônico — seria inviável levar os processos em papel de uma região para outra.

 

“Cabe ressaltar que relativamente ao sistema de Justiça federal, a implementação dos processos eletrônicos na área criminal, na 1ª e 3ª regiões [responsáveis por Brasília e São Paulo], justamente aquelas com maior número de processos, tem previsão de finalização para fim do primeiro semestre de 2020”, diz a PGR.

 

O memorando foi enviado a um grupo de trabalho criado no CNJ com o objetivo de regulamentar a implantação do juiz das garantias no país. A nova figura foi aprovada pelo Congresso no pacote anticrime, sancionado em dezembro pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

 

Pela nova lei, o juiz das garantias será responsável por acompanhar os inquéritos, analisando pedidos de quebra de sigilo e de prisão provisória, por exemplo, até o recebimento da denúncia.

 

Esse juiz não poderá atuar na fase posterior, da ação penal. Assim, caberá a um juiz supervisionar a investigação (o juiz das garantias) e a outro julgar o acusado (o juiz de instrução e julgamento).

 

A PGR também defende que o juiz das garantias não se aplique aos processos originários (aqueles que têm início) nos tribunais de Justiça dos estados, nos TRFs (Tribunais Regionais Federais), no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e no STF (Supremo Tribunal Federal).

 

Os processos originários nesses tribunais são os que envolvem réus com foro especial por prerrogativa de função — como os governadores no STJ e os deputados e senadores no Supremo. Pela sugestão da PGR, os juízes das garantias funcionariam apenas na primeira instância.

 

O argumento da Procuradoria é que não há, na nova lei, previsão expressa de que o juiz das garantias se aplica nos casos de processos originários nos tribunais. Além disso, segundo a subprocuradora-geral Luiza Frischeisen, as decisões nesses casos são colegiadas (tomadas em turmas, por mais de um juiz) — o que, em tese, garante maior imparcialidade.

 

O memorando remetido ao CNJ foi elaborado por Frischeisen e pelos subprocuradores-gerais Nívio de Freitas e Maria Iraneide Facchini, coordenadores das câmaras do Ministério Público Federal que tratam, respectivamente, de matérias criminais, de meio ambiente e de combate à corrupção.

 

Como antecipou a coluna Painel nesta quinta, a PGR também defendeu que os juízes de garantias não valham para processos com ritos próprios, como os da Lei Maria da Penha (violência doméstica) e os do Tribunal do Júri (homicídios dolosos), que demandam magistrados especializados.

 

No mesmo sentido, os procuradores questionam se deve haver juízes das garantias na Justiça Eleitoral, que também segue ritos próprios quando processa crimes eleitorais (como caixa dois) ligados a crimes comuns (como corrupção).

 

Frischeisen observa que a Justiça Eleitoral tem juízes temporários e em número inferior à Justiça criminal comum. (BN)


Seleção Brasileira Feminina convoca lateral direita do Bahia para Sub-20


                           Foto: Divulgação

A Seleção Brasileira Feminina Sub-20, comandada pelo técnico Jonas Urias, está convocada com uma jogadora do Bahia, para a preparação para a disputa do triangular final da Liga Conmebol Sul-Americana, contra Venezuela e Paraguai.

Trata-se da lateral-direita Nine, de 18 anos, que recebeu a notícia nesta quinta-feira (9), à tarde.

A jogadora do time feminino do Esquadrão, que tem como treinador o técnico Igor Morena, se apresenta na Granja Comary no dia 23 de janeiro. (Pnotícias)