Domingo de Ramos abre celebração da Semana Santa em São Felipe

Procissão, bênção dos ramos e missa, lembram neste domingo (14), a entrada de Jesus em Jerusalém. A igreja católica celebrou neste domingo (14) a Missa de Ramos. O ato litúrgico lembra a entrada de Jesus em Jerusalém, montado em um jumentinho. Com a celebração, iniciasse a programação da Semana Santa. Semana Santa é o momento … Leia Mais


Papa Francisco pede a estudantes que deixem o vício do celular

Papa Francisco disse que “quem se transforma em escravo do telefone perde a sua liberdade”. Remo Casilli/Reuters/direitos reservados Durante discurso para estudantes do instituto público Ennio Quirino Visconti, escola secundária clássica de Roma, o papa Francisco pediu aos jovens, neste sábado (13), no Vaticano, que se “libertem da dependência” do telefone celular, que é “como … Leia Mais


Justiça proíbe venda de livro do padre Marcelo Rossi por violação de direito autoral


Foto: Reprodução / Instagram

O desembargador Gilberto Campista Guarino, da 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), determinou a suspensão da publicação, distribuição e venda do livro “Ágape”, lançado em 2010, do padre Marcelo Rossi. A liminar foi concedida na quinta-feira (11) e cabe recurso.

A escritora Izaura Garcia, autora do pedido, afirma que o trecho “Perguntas e Respostas – Felicidade! Qual É?” é de autoria dela e foi publicado em seu livro,  “Nunca Deixe de Sonhar”, de 2002.  Em “Ágape”, a autoria do trecho é atribuída a madre Teresa de Calcutá. No processo, que ainda não foi julgado, a escritora pede indenização por violação de direitos autorais no valor de R$ 50 milhões.

“Defiro parcialmente a tutela provisória de urgência, a fim de que os agravados suspendam a publicação, distribuição e venda de exemplares da obra ‘Ágape’, até que comprovem a retificação de autoria do texto ‘Perguntas e Respostas – Felicidade! Qual é?’, nela veiculado, atribuindo-o corretamente à agravante, ou até que o suprimam, sob pena de multa equivalente ao dobro do valor comercial de cada exemplar publicado, distribuído e/ou vendido”, determina Guarino em sua decisão.

Segundo as advogadas de Izaura, Carolina Miraglia e Mariana Sauwen, o reconhecimento da escritora como autora do trecho já tinha sido obtido em outro processo, de 2013.

No entanto, o padre e a editora Globo não cumpriram o acordo estipulado na época nem corrigiram a informação na publicação. “Um dia, a Izaura entrou em uma livraria e pegou o livro para mostrar para algumas pessoas, mas viu que o seu nome não estava identificado como autora do trecho. Foi quando, então, ela nos acionou para entrar com o processo na Justiça”, explicou Carolina.

Segundo ela, o valor pedido pela indenização foi feito com base na legislação brasileira de direito autoral e corresponde a 20% da venda de 10 milhões de exemplares do livro. “[A obra] Gerou um lucro de R$ 250 milhões”, informou.

A editora Globo e o padre Marcelo informaram que só irão se pronunciar após a notificação oficial da Justiça, segundo o jornal O Dia.

por Folhapress




Padre Pinto morre em Salvador


                                                             Foto: Arquivo/ TV Bahia

O padre José de Souza Pinto, mais conhecido como padre Pinto, de 72 anos, morreu na tarde desta quinta-feira (4), em Salvador. De acordo com a Arquidiocese da capital, o religioso estava internado no Hospital Jorge Valente, desde a quarta-feira (3). O padre era hipertenso e diabético, no entanto, não há detalhes da causa da morte dele. Atualmente, ele era vigário na Paróquia São Caetano da Divina Providência, no bairro de São Caetano, também em Salvador. Ainda não informações sobre o sepultamento dele. Bailarino de formação clássica e artista plástico, padre Pinto ficou famoso em 2006, ao rezar uma missa vestido de índio e com roupas do candomblé, na Igreja da Lapinha, na capital baiana. O caso ocorreu durante a celebração da Festa dos Reis, quando o religioso celebrou a missa maquiado, com trajes de índio guerreiro e de Oxum, orixá das águas doces. O episódio provocou o afastamento do pároco da Igreja da Lapinha, que ele comandava havia 32 anos. Outra atitude do padre que causou polêmica foi ter dado um beijinho no músico Caetano Veloso durante o Festival de Verão de Salvador, em fevereiro do mesmo ano. Em entrevista ao G1, em 2007, padre Pinto disse que os atos em 2006 foram uma representação artística. “Foi um período turbulento. Houve uma série de mal-entendidos. Nunca tive o pensamento de transgredir normas, nem de desrespeitar alguém. Foi um trabalho de ‘inculturação’, como chamamos na igreja, que é a parte da contemplação da cultura dos povos. Foi algo que sempre estudei e procurei colocar em prática”, explicou. Em entrevista ao G1, em 2007, padre Pinto disse que os atos em 2006 foram uma representação artística. “Foi um período turbulento. Houve uma série de mal-entendidos. Nunca tive o pensamento de transgredir normas, nem de desrespeitar alguém. Foi um trabalho de ‘inculturação’, como chamamos na igreja, que é a parte da contemplação da cultura dos povos. Foi algo que sempre estudei e procurei colocar em prática”, explicou. Por meio de nota enviada pela Arquidiocese de Salvador, o Arcebispo de Salvador, Dom Murilo Krieger, lamentou a morte do religioso e disse que “cumprimenta os familiares do Padre Pinto e reza pelo sacerdote que dedicou vários anos de sua vida aos trabalhos pastorais nesta Arquidiocese, especialmente na Lapinha, onde revitalizou a Festa de Reis”. Por meio de nota enviada pela Arquidiocese de Salvador, o Arcebispo de Salvador, Dom Murilo Krieger, lamentou a morte do religioso e disse que “cumprimenta os familiares do Padre Pinto e reza pelo sacerdote que dedicou vários anos de sua vida aos trabalhos pastorais nesta Arquidiocese, especialmente na Lapinha, onde revitalizou a Festa de Reis”. (G1/Ba) Leia mais.




OAB, CNBB e mais 159 entidades assinam manifesto em defesa do Supremo


                                         STF: Rodrigo Maia participou de sessão na Corte com Dias Toffoli e Raquel Dodge (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Divulgação)

Uma série de entidades, de OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil a sindicatos de trabalhadores e instituições patronais, entregou na tarde desta quarta (3), durante sessão solene no plenário do Supremo Tribunal Federal, um manifesto para “repudiar os ataques contra o guardião da Constituição.

“O Supremo Tribunal Federal é a instância máxima da Justiça brasileira, garantidor maior dos direitos dos cidadãos, as liberdades de imprensa, de religião e de expressão, sem as quais não se constrói uma Nação. A Suprema Corte é insubstituível para o país e é dever de todos a sua defesa, pois, sem ela, nenhum cidadão está protegido, diz o texto.

O desagravo ao Supremo foi antecipado pelo Painel no último sábado (30). A sessão solene desta tarde, convocada de manhã pelo presidente da corte, ministro Dias Toffoli, substituiu a sessão de julgamentos prevista inicialmente. Entre as autoridades presentes estava o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“A discordância, a crítica civilizada e o diálogo são inerentes à democracia, tal qual o respeito e, em última instância, a solidariedade. Por isso, são inadmissíveis os discursos que pregam o ódio, a violência e a desarmonia na sociedade e contra o Supremo Tribunal Federal, afirma o manifesto lido no plenário.

Entre os signatários estão Felipe Santa Cruz, presidente nacional da OAB, dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB, Robson Rodovalho, presidente da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil, Vagner Freitas, presidente da CUT, Paulo Skaf, presidente da Fiesp, Vander Costa, presidente da Confederação Nacional do Transporte, Murilo Portugal, presidente da Febraban (federação dos bancos) e Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores.

O Supremo tem sido alvo de ataques nas redes sociais e de pedidos de impeachment de alguns de seus membros por motivos variados. No Congresso, senadores tentaram articular a instalação de uma CPI para investigar os tribunais superiores —iniciativa que foi batizada de CPI da Lava Toga.

No mês passado, Toffoli abriu um inquérito para apurar ofensas e ameaças contra os magistrados nas redes sociais, além de disseminação de fake news. A investigação já teve mandados de busca e apreensão cumpridos em São Paulo e Alagoas.

O manifesto das entidades diz ainda que, diante da crise e do desemprego, “o povo clama pela retomada do desenvolvimento econômico com mais emprego, justiça social e segurança.

“Com este manifesto, exaltamos a sociedade brasileira a defender o Supremo Tribunal Federal como instituição permanente, estável e indispensável para a construção de um país cada vez mais justo, solidário e responsável no presente dos brasileiros e brasileiras e as gerações futuras, conclui o texto.

Na sessão solene para a entrega do manifesto, Toffoli agradeceu às entidades o que subscreveram.

“A mesma sociedade civil que lutou na campanha das Diretas Já e que atuou ativamente na Constituinte de 1987 e 1988, fazendo seus anseios ecoarem na Carta Cidadã, é a que hoje entrega esse manifesto em defesa do Supremo: uma sociedade civil comprometida com o fortalecimento da democracia, com a defesa dos direitos e com o progresso social, disse Toffoli.

Folhapress




Papa diz a população católica no Marrocos que converter não é a missão


Foto: Divulgação

Em viagem ao Marrocos, o Papa Francisco declarou à comunidade católica do país que a missão deles não é converter. O propósito, segundo o pontífice, deve ser viver em fraternidade com todas as outras religiões — no Marrocos, a maior parte da população é muçulmana.

“Continuem próximos daqueles que são frequentemente excluídos, os pequenos e os pobres, os prisioneiros e os migrantes. Os caminhos da missão não passam pelo proselitismo, que sempre leva a um beco sem saída”. declarou.

Segundo informações do G1, ele aproveitou a viagem de dois dias para enfatizar o diálogo entre as religiões e também apoiou os esforços do rei marroquino, Mohammed VI, para espalhar uma forma de islamismo que promova o diálogo inter-religioso e rejeite a violência em nome de Deus.

“Os cristãos são uma pequena minoria neste país. No entanto, na minha opinião, isso não é um problema, embora eu perceba que às vezes pode ser difícil para alguns de vocês”, disse Francisco em uma reunião com líderes comunitários católicos. O papa ressalta que a “Igreja cresce não por proselitismo, mas por testemunho”.