Santo Estevão: Morte de homem de 57 anos diagnosticado com febre amarela é investigada


Foto: Google imegens

A morte de um homem de 57 anos que havia sido diagnosticado com febre amarela no município de Santo Estevão, a 150 km de Salvador, está sendo investigada, segundo informou ao G1, na noite desta sexta-feira (26), o coordenador do Núcleo Regional de Saúde de Feira de Santana, Edy Gomes. A vítima, que não teve identidade divulgada, tomou a vacina contra a doença no dia 15 de janeiro e dois dias depois começou a apresentar complicações. Gomes disse que o homem tinha problemas de alcoolismo e o fígado bastante debilitado e que a morte pode ter ocorrido por conta de uma reação adversa à vacina. O G1 não conseguiu contato com a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) para falar sobre o caso, na noite desta sexta. “Está certo que ele tinha febre amarela. Isso foi confirmado, mas ainda não podemos dizer se ele morreu em decorrência da doença. Ele bebia muito e já tinha comprometimento hepático. Ao tomar a vacina, ele já estava debilitado. Então, o óbito pode ter sido em decorrência de uma reação adversa à vacina e não em decorrência da doença em si. Isso é o que estamos investigando agora”, destacou. Conforme Gomes, foram colhidas amostras da vítima que serão analisadas para saber a real causa da morte. Os materiais foram encaminhados para o Laboratório Central do Estado (Lacen) e também para a Fiocruz, no Rio de Janeiro. “Esse é um caso específico. A gente não pode marginalizar para evitar que as pessoas fiquem com receio de procurar os postos de saúde para se vacinar”, disse Gomes. (G1 Bahia)


MP recomenda exoneração de funcionários por nepotismo em quatro cidades baianas


Após apurar a existência de eventuais casos de nepotismo em quatro cidades baianas, o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) determinou aos prefeitos e presidentes das Câmaras Municipais a exoneração de “todos os ocupantes de cargos comissionados, função de confiança ou função gratificada, que detenham relação de parentesco consanguíneo, em linha reta ou colateral, ou por afinidade até o terceiro grau com o prefeito, vice-prefeito, secretários municipais, procuradores do Município, chefe de gabinete e qualquer outro cargo comissionado do Município e Câmara de Vereadores”. Expedida pela promotora Marisa Marinho Jansen Melo de Oliveira, da 2ª Promotoria de Justiça de Ruy Barbosa, a recomendação é endereçada ao prefeito de Ibiquera, Dr. Ivan (PMDB), e ao presidente da Câmara, vereador Josafá Barreto de Almeida (PSDB), ao prefeito de Lajedinho, Marcos Mota (PSD), e ao presidente da Câmara, Nir (PSD), à prefeita de Macajuba, Mary (PMDB), e ao presidente da Câmara, Ivan (PMDB), ao prefeito de Ruy Barbosa, Claudio Serrada (PSD), e ao presidente da Câmara, Bui de Edmundo (PMDB).

Os gestores têm o prazo de 10 dias para atender a demanda e rescindir esses contratos, além da obrigação de remeter um ofício à Procuradoria com cópia dos atos de exoneração, rescisão e declaração de todos os servidores ocupantes de cargos comissionados, esclarecendo se possuem ou não parentesco com ocupantes de outros postos. Em todos os casos, o MP-BA ressalta que se não houver acatamento, vai adotar as “medidas legais necessárias a fim de assegurar a sua implementação”. O órgão considera ajuizar uma ação civil pública de responsabilização em decorrência do ato de improbidade administrativa. (BN)


Incêndio em hospital sul-coreano deixa pelo menos 37 mortos


O incêndio que afetou um hospital da cidade sul-coreana de Milyang deixou 37 mortos e 131 feridos, 18 deles em estado grave, segundo informou o governo de Seul. O número de mortos foi corrigido de 41 para 37 por um erro na contagem anterior, de acordo com os dados divulgados à agência Yonhap por um porta-voz do Ministério da Saúde, que acrescentou que ainda é desconhecida a origem do fogo. As chamas teriam começado na sala de emergência do primeiro andar do prédio principal do Hospital Sejong, por volta das 7h30 (horário local, 20h30 de Brasília, na quinta-feira). Os bombeiros demoraram cerca de 3 horas para apagar o fogo, que começou quando aproximadamente 180 pessoas estavam no edifício. Mais de 200 pessoas, em sua maioria pacientes que estavam no prédio no momento do incêndio, e internos de um asilo de idosos próximo, foram levadas para várias unidades médicas próximas. A polícia sul-coreana informou que fará uma investigação para determinar as causas do incidente. (Agência Brasil)