Maurício Barbosa é o novo presidente do Colégio Nacional de Secretários

Foto Mateus Pereira/GOVBA Maurício Teles Barbosa foi eleito, na tarde desta terça-feira (10), o novo presidente do Colégio Nacional de Secretários Estaduais de Segurança Pública (Consesp). Durante reunião em São Paulo o secretário da Segurança Pública da Bahia foi escolhido por unanimidade pelos representantes dos estados. Além da votação, os secretários ressaltaram a necessidade de … Leia Mais


Homem é morto a tiros por dupla de moto em Maragojipe

Homem assassinado com vários tiros em Maragojipe – FORTE NA NOTICIA A morte de Jacarviam Brito de Andrade, 31 anos, aconteceu na manhã de ontem (8), no bairro das Pedrinhas, próximo a um local conhecido como Ladeira da Morte, em Maragojipe, no Recôncavo. A polícia disse ao Forte na Notícia que no momento do crime … Leia Mais


Idoso é assaltado e morto dentro de casa no distrito de Jaguara

O idoso Josafá Bispo da Paixão, 73 anos, foi assassinado a tiros durante um assalto na manhã de ontem (5), no interior da residência onde morava, na Fazenda Barbosa, no distrito de Jaguara, em Feira de Santana. Ele teve a casa invadida por criminosos. Segundo informações obtidas pela polícia, o idoso vendeu algumas cabeças de … Leia Mais


Titular de cartório é preso em operação da PF em Vitória da Conquista após aparecer em vídeo recebendo ‘taxa de agilização’


Foto: Divulgação/ PF

O titular do Cartório do 1º Ofício de Registro de Imóveis e Hipotecas da cidade de Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, foi preso na operação Factum da Polícia Federal, na manhã desta terça-feira (3), após aparecer em um vídeo recebendo uma “taxa de agilização” para a realização de serviços, de possíveis despachantes e de corretores de imóveis. Ele é alvo de um mandado de prisão preventiva e foi preso em casa, na cidade de Vitória da Conquista. O nome dele não foi divulgado pela PF. Ele foi indiciado pela prática dos crimes de corrupção passiva, associação criminosa, tráfico de influência, falsidade ideológica e uso de documento falso. Também são cumpridos três mandados de prisão temporária contra familiares do titular do cartório, que também faziam parte do esquema, além de também corretores de imóveis e despachantes com os quais ele negociava a taxa de agilização. Todos os mandados de prisão já foram cumpridos e os nomes dos alvos não foram divulgados. Eles são investigados pela prática dos crimes de corrupção passiva, associação criminosa e corrupção ativa. Ainda são cumpridos oito mandados de busca e apreensão em escritórios e residências, além de medidas cautelares diversas em Vitória da Conquista e também em Salvador.

Investigação

As investigações tiveram origem em 2016, quando houve o descumprimento, por parte do titular do cartório, de decisões oriundas da Justiça Federal e da Justiça do Trabalho. Após prejuízo à União, em face desses descumprimentos, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou a competência da Justiça Federal para o processamento do inquérito policial e das medidas cautelares correlatas. Diante das provas colhidas pela PF, estima-se que a prática ocorria há mais de quinze anos. O titular do cartório mantinha trabalhando no cartório as suas filhas e ainda outras pessoas de sua confiança, sem qualquer vínculo formal com o Tribunal de Justiça da Bahia, com o intuito de controlar o funcionamento do cartório de acordo com os seus interesses e também não aceitando a presença no local de outros servidores da Justiça que ali foram lotados. No decorrer das investigações, foi constatada ainda a prática de outros crimes não relacionados diretamente com o funcionamento do cartório, tais como falsidade ideológica, uso de documento falso para a promoção e consequente aumento salarial no cargo de professor na Secretaria de Educação do Estado da Bahia, tráfico de influência para a retirada de multas de trânsito e concessão de licença-prêmio, dentre outros. O nome da operação é referência a um dos significados da expressão “factum”, que, em latim, pode ser “escritura”, já que os crimes de corrupção ora investigados eram praticados sobretudo para agilizar o registro de escrituras. Cinquenta e sete policiais federais participam da operação. (G1)





Irmão de Eduardo Campos pede apuração de possível sabotagem de avião que caiu em 2014


O advogado Antônio Campos, irmão de Eduardo Campos, disse nesta segunda-feira (2) que pediu para a Polícia Federal e para a Justiça Federal em Santos, no litoral de São Paulo, investigarem se houve sabotagem no avião usado pelo ex-candidato à Presidência que caiu durante a campanha eleitoral de 2014. De acordo com informações do Blog do Jamildo, o advogado disse que “resistia a admitir” a hipótese, mas que peritos que acompanham o caso o convenceram da possibilidade. Eduardo Campos e mais seis pessoas morreram na queda da aeronave há cerca de quatro anos na cidade de Santos. O documento encaminhado à Polícia Federal relata que o sensor de velocidade do avião não estava funcionando durante a viagem. Segundo a petição, a informação pode “mudar o curso da investigação” e transformar o acidente em homicídio culposo ou doloso.