Vídeo: ônibus é incendiado no bairro de Sussuarana, em Salvador

Um ônibus foi incendiado na manhã deste domingo (18) no bairro de Sussuarana, em Salvador. De acordo com informações obtidas pela reportagem, o ato teria sido um protesto após a morte do filho de um policial do bairro em suposto confronto com policiais. Os moradores afirmam que o jovem era inocente. As chamas que destruíram o … Leia Mais


SÃO FELIPE: Vereador critica serviço de regulação do estado

“A regulação na Bahia é um caos. As pessoas estão morrendo na fila”, dispara o vereador de São Felipe João Vitor, ao criticar a regulação do Sistema Único de Saúde da Bahia. Segundo ele, a situação tem se agravado e coloca em risco a vida das pessoas que precisam, com urgência, de transferências para hospitais estaduais.“Essa … Leia Mais


Câmara vai definir regra para voos de deputados, diz coluna

A Mesa Diretora da Câmara vai discutir na próxima semana novas regras para viagens internacionais dos deputados e servidores. O presidente da Casa, Rodrigo Maia, disse à Coluna do Estadão que “o ideal é caminhar tudo para ser de classe econômica”, como já é hoje. Há, porém, pressão para que sejam criadas exceções. A discussão … Leia Mais


Luciano Huck retoma consultas sobre candidatura à Presidência da República

O apresentador Luciano Huck passou a ser encarado como uma opção do centro político após voltar a avaliar uma possível candidatura à Presidência. Nesta sexta-feira (9), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse, em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre, que Huck “está considerando a possibilidade” de se candidatar. O apresentador intensificou nos últimos … Leia Mais


‘Triste você ver nome do seu pai jogado na lama’, diz filha de Temer


Ela cresceu ouvindo o pai declamar Castro Alves. Dele herdou a consciência moral e da mãe, a consciência cristã. E então foi construindo sua trajetória, hoje como professora de direitos constitucionais da PUC-SP e da Uninove, e presidindo o Instituto Liberta, criado pelo filantropo Elie Horn, de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes. Antes, foi secretária de assistência social da Prefeitura, na gestão de Fernando Haddad, a quem admira e se identifica. Ex-delegada de defesa da mulher, em Osasco, trabalhou também com o governador Geraldo Alckmin e tem Gabriel Chalita em alta conta. Defende a legalização do aborto, das drogas e regulamentação da prostituição. Luciana Temer, 48 anos, a filha primogênita do presidente Michel, foge dos paradigmas óbvios do jogo fácil das polarizações políticas. Ela decidiu compartilhar um olhar mais íntimo sobre suas crenças e valores, nesta entrevista que se segue.

Qual seria o inconsciente coletivo do brasileiro hoje?

Hoje, as pessoas estão se sentindo à vontade para fazer e dizer coisas, especialmente nas redes sociais, que traduzem o que elas não tinham coragem de dizer antes face a face, e que agora estão mais livres para falar. Se por um lado isso é bom porque as pessoas podem se manifestar mais livremente, por um outro lado, esse espaço criado pela internet, pelas redes sociais, tornou as pessoas mais agressivas, mais radicais nas suas posições.Coisas que estavam no inconsciente das pessoas e que elas deixavam lá quietinhas, agora elas estão deixando os bichos ficarem mais soltos. De alguma forma, tem alguma coisa acontecendo que traz uma belicosidade nas colocações como se a gente voltasse um pouco para a idade da pedra. Eu sinto que tem um certo ambiente – que é esse ambiente virtual – que faz com que as pessoas peguem em armas e tratem as questões de forma muito agressiva.

Isso é uma coisa brasileira ou mundial?

Mundial.

Qual seria o acento brasileiro?

Eu acho que no Brasil temos essa crise política absolutamente acirrada, onde, supostamente, o brasileiro acordou para uma questão que é a questão da corrupção; mas, ao mesmo tempo eu digo supostamente, porque ficou uma ideia de que esse malfeito brasileiro só acontece e está centrado nos políticos e nas instituições, o que não é verdadeiro. A polarização fica num nível tão raso de discussão: bons e maus, maniqueísta. “Eu sou bom, você é mau”. Eu sempre falo para os meus alunos dessa divisão de “nós” e “eles” – como se o Congresso Nacional fossem “eles”. Quem é o Congresso Nacional se não nós mesmos? Nós mesmos que somos cidadãos brasileiros, nós mesmos que elegemos.

Você acha que falta consciência ética e social no dia a dia do brasileiro?

Não podemos generalizar, tem gente muito boa. Mas acho que existe uma cultura permissiva no Brasil em todos os aspectos e setores. Na consciência do brasileiro o não cumprimento da lei é porque essa lei não é boa, essa regra não é boa. Ou é difícil e não vou conseguir cumprir, e eu me permito descumprir.

Como reage aos escândalos de corrupção que a gente ouve?

Conheço o pai que tenho e sei os limites éticos dele.

No seu governo?

A corrupção é uma coisa endêmica, um problema sério em todos os níveis. É preciso repensar posturas individuais e cotidianas. Falamos muito das grandes corrupções, mas na hora de deixar o carro na vaga reservada a pessoas com deficiência, partimos para o discurso de que “é só um minutinho”. A sociedade precisa ser mais educada.

Em termos de pensamento político, a sua construção vai por onde?

Eu tenho uma formação humanista que vem de casa, tanto do lado paterno como materno. Minha mãe, que foi sempre alguém que procurou ajudar as pessoas e me ensinou que era importante cuidar das pessoas que estão a nossa volta. E o meu pai, porque tem essa formação, não só jurídica, mas de família muito rígida, uma moral muito rígida. De família árabe muito grande, muito unida, que teve sempre teve esse discurso bastante rígido do ponto de vista moral. Nós crescemos com esses dois lados – a minha mãe, Maria Célia, sempre pelo lado da caridade. E a formação mais estruturada do ponto de vista da consciência social, vem do meu pai. Nós íamos daqui até Tietê – onde ficava a chácara da nossa família, e íamos todo fim de semana ficar com a minha avó -, ouvindo meu pai declamar ‘Navio Negreiro’ (Castro Alves) inteirinho. Uma coisa super tocante.

Como você se define, ideologicamente falando?

Sou uma pessoa que busca uma maior justiça social de forma ampla, não só do ponto de vista econômico e financeiro.

Você ter trabalhado com o Haddad é uma coisa curiosa…

O Haddad é um militante petista, mas ele é um professor universitário, assim como eu sou uma professora universitária. Ele é um sujeito que foi se aprimorando intelectualmente, assim como eu busquei me aprimorar intelectualmente ao longo dos anos. Eu fui trabalhar com uma pessoa que fez um caminho de busca, de consciência social, assim como eu fui buscando meu caminho. Então não acho tão estranho que eu tenha ido trabalhar com o Haddad. Nesse tempo de polarização, as pessoas tendem muito a associar o seu sobrenome a uma pauta que exclui o direito das mulheres, que torce o nariz ao direito sobre o próprio corpo… Eu tenho duas irmãs, que são psicólogas. Nós somos três mulheres independentes, que trabalham, que a vida inteira ganharam o seu dinheiro e se sustentaram, e eu escutei do meu pai a vida inteira a seguinte instrução: “você tem que trabalhar e ganhar o seu dinheiro, porque a independência só existe quando você se sustenta. Você só é uma pessoa livre e independente quando paga as suas contas”. Aí eu me pergunto, onde está o machista dessa brincadeira do ‘recatada e do lar’? Porque a Marcela tem um outro perfil. É uma grande companheira dele, mesmo, de mais de 12 anos, e que tem outro perfil, e que eu respeito perfeitamente.

Política te interessa?

A grande política me interessa, política partidária não me interessa pessoalmente, não tenho vocação. Eu me filiei ao MDB para assumir a secretaria de assistência com o Haddad.

Você gostou de trabalhar com o Alckmin?

Eu o respeito muito. É um sujeito muito sério, muito íntegro. Essa é minha experiência pessoal com ele. Se você perguntar com quem eu tenho mais afinidade de trabalho, de pensamento, eu tenho muito mais afinidade com o Haddad.

Na sua família o pensamento é homogêneo?

Não. Muito chato pensamento homogêneo. Com quem você vai discutir no almoço? A gente tem bons debates, mas temos uma afinidade num pensamento mais liberal. Lógico, sobre determinados assuntos eu não penso como o meu pai que é de outra geração, suas posições não são as mesmas e temos bons debates sobre essas questões. A questão de gênero, a questão de política de drogas, a gente tem posições que são diferentes.

Em gênero e drogas vocês discordam?

Na verdade, ele pensa uma política de enfrentamento da droga mais conservadora. Quando aparece um ministro como o Osmar Terra falando em internação e abstinência total, de certa forma ele endossa. É uma linha mais tradicional. Quanto a gênero, meu pai é uma pessoa que prega uma relação de igualdade. Nunca pregou desigualdade. Mas ele parte de um discurso de que basta a defesa da igualdade, não precisa cotas nem distinções.

Como você se sentiu quando ele apresentou uma equipe ministerial composta apenas por homens?

É uma questão um pouco de um homem mais velho que teve um convívio mais fácil a vida inteira com homens. Ele tem mais referências de homens que mulheres. Eu se fosse montar uma equipe, talvez montasse uma equipe mais feminina. Mas veja, Haddad, que é super moderno, tinha 3 mulheres em 27 secretarias…Não acho enfim que ele não tenha chamado mulheres por exclusão. Não houve predisposição em não chamar. Por outro lado, não houve predisposição em buscar um nome. Parece bobo, mas isso faz diferença.

Conte um pouco sobre o trabalho do Instituto Liberta.

Estamos na estrada há um ano e cuidamos de uma temática exclusiva, que é a exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil. O Brasil é o segundo país com maior índice de exploração sexual infantil e o quarto país no índice de casamentos infantis. A estimativa é de mais ou menos 500 mil meninas e meninos explorados anualmente, e a maioria têm entre 7 e 14 anos. São dados muito tristes.

Quando aconteceram essas crises agudas envolvendo o seu pai, você conseguiu separar as coisas, ficar tranquila?

Não. É muito triste, muito difícil você ver o nome do seu pai, que é uma pessoa que você conhece há 50 anos, jogado na lama. Quando saiu na Globo aquela primeira chamada dizendo que havia um áudio no qual meu pai dizia pra o Joesley para subornar o (Eduardo) Cunha pra ficar calado, eu estava na rua, ouvindo o rádio. E aí eu cheguei em casa, meus filhos estavam em casa, não tinham ouvido a notícia; liguei no Jornal Nacional, e aí o meu filho virou pra mim e falou assim: “O que é isso? Você acredita? O que está acontecendo?”. Eu falei: “olha, meninos, eu não ouvi esse áudio, ninguém ouviu esse áudio. Mas, eu vou dizer pra vocês, eu corto os meus dois braços se o seu avô falou uma coisa dessas. Eu conheço o seu avô há 50 anos, ele jamais, em tempo algum falaria uma frase dessas.” E, afinal, quando saiu o áudio essa frase não existia. A frase que aparece no áudio é: “Estou mantendo uma boa relação”. “Ah, você deve mesmo fazer isso”. Isto é meu pai. Com informações do Estadão Conteúdo.


Polícia Federal prende o deputado João Rodrigues no Aeroporto de Guarulhos em SP


A Polícia Federal prendeu na manhã de hoje (8) o deputado federal João Rodrigues (PSD-SC), condenado pela segunda instância da Justiça Federal a cinco anos e três meses por dispensa irregular de licitação, quando ocupou o cargo de prefeito de Pinhalzinho (SC). A prisão ocorreu no Aeroporto internacional de Guarulhos. Investigação da Polícia Federal identificou que o deputado que estava nos Estados Unidos, fez uma alteração na sua passagem de avião, mudando o destino final de Brasil para Paraguai. Como na segunda-feira (12) a execução da pena estaria prescrita, o ministro do Supremo Tribunal Federal  Alexandre de Moraes, autorizou a inclusão do nome do deputado na lista da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol). (Agência Brasil)


Prevista para abril, licitação da ponte Salvador-Itaparica é adiada


Prevista para abril, licitação da ponte Salvador-Itaparica é adiada

A licitação para construção da ponte Salvador-Itaparica prevista para ser lançada no mês de abril foi adiada. Segundo o governador Rui Costa, a medida atende a pedido de empresas que pediram mais tempo para complementar os estudos de viabilidade do projeto. “A princípio, iríamos licitar agora em abril, mas tivemos o pedido de duas empresas, uma delas chinesa, para que adiássemos a licitação e elas tivessem tempo para concluir os estudos de viabilidade econômica. Como a gente quer a maior concorrência possível, resolvemos empurrar um pouco”, disse o governador durante inauguração de uma sala de estabilização do Hospital Geral de Itaparica, na tarde desta segunda-feira (5).Segundo o chefe do Palácio de Ondina, a expectativa é que o certame seja lançado ainda este ano. “Espero ainda esse ano estar licitando esse projeto. A gente só vai soltar a licitação quando duas, três, quatro empresas disserem ‘pode soltar, porque vou apresentar proposta’. Enquanto as empresas ficarem pedindo ‘me dê mais um mês’, não adianta a gente apertar e as empresas falarem ‘te pedi mais dois meses, você não me deu e eu não vou arriscar meu dinheiro'”, explicou. (Bocão News)


Dória desembarca em Salvador na próxima terça-feira (13); tucano será guiado por Neto


O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), vai viajar pelo Brasil durante o Carnaval. As informações foram publicadas pela coluna Painel, do jornal Folha de São Paulo.

Segundo a publicação, na terça-feira (13), o tucano estará em Salvador, guiado pelo prefeito ACM Neto (DEM). Antes, ele assiste ao desfile das escolas de samba na capital paulista na sexta (9) e no sábado (10). Na segunda (12), o prefeito paulista vai ao Rio, a convite do colega Marcelo Crivella (PRB-RJ).

Durante os onze meses à frente da prefeitura de São Paulo, ele realizou 43 viagens. Em 11 delas, Doria participou de eventos do Lide – grupo empresarial fundado pelo próprio prefeito.

As decolagens começaram em fevereiro. Foram 40 em dias úteis e 3 em finais de semana. João Doria esteve em cidades de todas as regiões do Brasil e foi também a outros países.

O PT chegou a questionar na Justiça um suposto caráter eleitoral nas viagens do tucano, mas o caso acabou arquivado pelo Ministério Público. O promotor responsável, Marcelo Milani, afirmou que “nada demonstra atitude arbitrária, nem indícios de dolo ou má-fé”. O PT diz que irá recorrer.

Eleições

Em dezembro do ano passado, Dória defendeu que o PSDB já defina o nome do candidato à Presidência da República durante a convenção nacional do partido. Para ele, o melhor nome para ocupar o cargo seria o governador do estado de São Paulo, Geral Alckmin.


Ministro do TSE intima Globo, Huck e Faustão a prestar esclarecimentos


O ministro Napoleão Nunes Maia, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), intimou nesta quinta-feira (1º) os apresentadores Luciano Huck e Fausto Silva, além das Organizações Globo, a prestar esclarecimentos sobre um programa veiculado na TV no começo de janeiro. Parlamentares do PT entraram com representação no TSE por suposto abuso dos meios de comunicação e de poder econômico praticado pela TV Globo e pelos apresentadores. Os petistas alegam que Faustão promoveu Huck “como pré-candidato à Presidência da República, em cadeia nacional, durante entrevista em seu programa dominical veiculado no dia 7 de janeiro de 2018 pela emissora de televisão representada, o que comprometeria a isonomia do pleito que se aproxima”. “Entendo que, para melhor e mais ponderada apreciação da situação processual e material que ora se manifesta, cumpre determinar, o que ora faço, sejam as partes Representadas regularmente intimadas para manifestarem-se no prazo de 5 (cinco) dias, querendo-o, conforme entenderem de seu direito ou da defesa de seus interesses”, escreveu o ministro na decisão. O PT pede que Huck fique inelegível ou tenha negado seu pedido de registro de candidatura.

O PROGRAMA

Convidado para um quadro do “Domingão do Faustão” (TV Globo), Huck afirmou que não existe “salvador da pátria” capaz de resolver os problemas do Brasil e que é preciso aproveitar o momento de “derretimento da classe política” para “reocupar esse espaço”. Faustão havia pedido que Huck falasse sobre suas perspectivas e explicasse por que é otimista com o futuro. Huck foi sondado por partidos políticos a se lançar candidato à Presidência nas eleições deste ano. Em novembro, publicou um artigo na Folha afirmando que não seria candidato, mas que atuaria na política por meio de movimentos cívicos. Com informações da Folhapress.