Atividades esportivas são oferecidas gratuitamente em 78 municípios

A estação mais quente do ano é um convite para a prática de atividades esportivas. Com uma ampla oferta de modalidades que incluem ações recreativas, o Programa de Esporte e Lazer da Cidade (PELC – Bahia) é uma opção gratuita para aqueles que querem se movimentar neste verão. Presente em 78 municípios baianos, o programa … Leia Mais


Nota Premiada Bahia divulga bilhetes para sorteio de janeiro

Os participantes da campanha Nota Premiada Bahia, do Governo do Estado, já podem consultar os números dos bilhetes com os quais irão concorrer ao sorteio de janeiro, realizado na próxima quarta-feira (23), contemplando dez prêmios de R$ 100 mil. Os bilhetes são gerados a partir das emissões da Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) que … Leia Mais


Cariranha: TJ-BA suspende chapa dois em eleição de mesa diretora da Câmara

Foto: Divulgação O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) suspendeu a chapa dois, liderada pela ex-presidente Evânia da Silva Neves, conhecida como Evânia de Jadinha (DEM), do pleito eleitoral da Mesa Diretora para o biênio de 2019/2020 da Câmara Municipal de Carinhanha, na região oeste do estado. A decisão manteve provisoriamente, o resultado da eleição do … Leia Mais



Países da América do Sul planejam criação de novo bloco sem a Venezuela

Foto : Reprodução/Arquivo/Alamy Um grupo de países sul-americanos está discutindo a criação de um novo bloco diplomático que possa substituir a União de Nações Sul-Americanas (Unasul). A informação foi anunciada pelo presidente colombiano, Iván Duque, hoje (14). A Unasul foi criado há 10 anos pelo então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para impedir que os Estados … Leia Mais


‘Não se dedicam plenamente’, diz Rui sobre diretor de escola com mais de um emprego


‘Não se dedicam plenamente’, diz Rui sobre diretor de escola com mais de um emprego

Foto: Ascom/ Rui Costa

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB) realiza um protesto na Governadoria, no Centro Administrativo, em Salvador, na sexta-feira (11). A manifestação acontece por causa da Lei n° 14032 de 18 de dezembro de 2018, que determina Dedicação Exclusiva para Diretores e Vice-diretores dos colégios da rede estadual. De acordo com o presidente da APLB, Rui Oliveira, é possível que aconteça um pedido de exoneração coletiva (de diretores e vice-diretores de escola). “Se isso acontecer, o processo de matrícula e o início do ano letivo vai ser comprometido”, disse representante da categoria. Ao saber do ato,  na manhã desta quinta-feira (10), o governador Rui Costa disse que está “surpreso com a postura” do sindicato. “É assim que a APLB quer melhorar a educação? Tem que perguntar para o povo se isso é correto. Me desculpe, mas eu prefiro agradecer aos mil professores que se dedicam ser  diretores da escola. Agora, aqueles que estão no cargo e não se dedicam plenamente, porque têm outra atividade profissional, continuam como professores do estado, mas vão ter que ceder lugar a quem queira se apaixonar pelo que faz”, afirmou o petista. O governador ainda declarou que aumentou a gratificação dos diretores e vices para que eles se dediquem integralmente as escolas. “Não dá para ter um diretor que passe de vez em quando na escola. O que é isso? Não vamos melhorar a educação cada um defendendo seu privilégio”, concluiu Rui Costa. (Bahia Notícias)


Prefeito é cassado pela Câmara e vice toma posse em Abaré


Foto: Leitor BN

O prefeito da cidade de Abaré, Fernando Tolentino (PT), teve o mandato cassado nesta terça-feira (8) pela Câmara de Vereadores da cidade. Em seu lugar, assumiu o seu vice, Kaká de Eulina. De acordo com informações do site Carlos Britto, oito dos onze vereadores que estavam presentes na sessão da Câmara votaram a favor da cassação de Tolentino por conta de seis denúncias, relacionadas a responsabilidade fiscal e improbidade administrativa. (Bahia Noticias)





“Bolsonaro é o segundo Oswaldo Aranha”, afirma embaixador de Israel


“Bolsonaro é o segundo Oswaldo Aranha”, afirma embaixador de Israel

Foto: Agência Brasil – EBC

O embaixador do Israel no Brasil, Yossi Shelley, comparou, em entrevista exclusiva à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o presidente Jair Bolsonaro ao político e diplomata brasileiro Oswaldo Aranha. Em 1947, o então chefe da delegação brasileira presidiu a sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas que levou à criação do Estado de Israel. Aranha é reverenciado pelos israelenses até hoje. “O nome de Oswaldo Aranha foi significante para a criação do Estado de Israel. Agora Jair Bolsonaro é um segundo Oswaldo Aranha porque ele faz uma coisa incrível: é mudar a história”, afirmou o embaixador. Em março, Bolsonaro pretende ir a Israel e deve viajar acompanhado de um grupo de empresários. O objetivo é incrementar o comércio bilateral e a troca de tecnologias. “Ele vai receber as honras de um rei. Eu prometo isso. Vou estar ao lado dele e vou segurar a mão dele. Amo o Brasil. Amo o povo de Israel.”

Antes da viagem do presidente da República, o ministro da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, vai visitar Israel. Ele discutirá projetos para um futuro acordo sobre água e dessalinização. A disposição, segundo o embaixador, é para as propostas para o Nordeste e o interior do país.

A seguir, os principais trechos da entrevista do embaixador israelense à EBC. 

Agência Brasil: Como o senhor observa esse novo momento das relações entre Brasil e Israel?
Yossi Shelley: O nome de Oswaldo Aranha foi significante para a criação do Estado de Israel. Agora, Jair Bolsonaro é um segundo Oswaldo Aranha porque ele faz uma coisa incrível: mudar a história. Hoje a nova diplomacia é a economia. As preocupações estão voltadas para melhorar a economia e o bem-estar do povo. O povo precisa de boa comida, educação, inovação e segurança. Isso é o que conta.

Agência Brasil: O primeiro-ministro de Israel passou cinco dias no Brasil, o que representou isso para os projetos de parceria?
Yossi Shelley: Isso foi uma coisa incrível. O primeiro-ministro [Benjamin] Netanyahu nunca deixa o país por tanto tempo. No máximo dois, três dias. Mas quase uma semana! Isso é graças ao presidente Bolsonaro. Quando há um carinho do outro lado, Israel vai atrás. Netanyahu e Bolsonaro conversaram sobre segurança pública, a dessalinização, como acabar a seca do Nordeste brasileiro, satélite, como vigiar a fronteira, e vocês têm uma fronteira gigante de 17 mil quilômetros.

Agência Brasil: Como estão os preparativos para a visita do presidente Jair Bolsonaro a Israel?
Yossi Shelley: Esse planejamento vai ser muito especial. Vamos dar carinho e amor. Ele vai conhecer empresas que fazem história, como Waze e Mobileye. Esperamos que ele leve 40 ou 50 empresários. Negócios se fazem entre homens de negócios. Há coisas grandes feitas com o governo, mas o mercado trabalha com empresário. Ele vai receber as honras de um rei. Eu prometo isso. Vou estar ao lado dele e vou segurar a mão dele. Amo o Brasil. Amo o povo de Israel.

Agência Brasil: Qual a expectativa dos israelenses sobre transferência da Embaixada brasileira de TelAviv para Jerusalém?
Yossi Shelley: Primeiro o governo brasileiro é soberano para dizer quando. A transferência acontecerá, mas aguardamos o momento. Estamos muito felizes com a transferência. Deixa o tempo definir. O presidente [Donald] Trump [dos Estados Unidos], quando assumiu o cargo, também citou que iria transferir a embaixada. Oito meses depois fez isso. Essas coisas não serão obstáculos para a nossa relação.

Agência Brasil: O que será feito neste semestre para o fortalecimento da parceria Israel-Brasil?
Yossi Shelley: O ministro Marcos Pontes vai visitar Israel. Precisa fazer um acordo sobre água e dessalinização e levar essas plantas para o Nordeste, levar máquinas para o interior. Seis máquinas já estão lá. Serão 70. Leva as máquinas, perfura a água salobra, aplica a tecnologia e faz isso já, já, em dois ou três meses. Se demorar dois ou três anos, a cadência vai acabar.

Agência Brasil: O Brasil tem déficit na balança comercial de US$ 848 milhões. O senhor confia em mudar esse cenário?
Yossi Shelley: Há um grande projeto agora: Israel quer comprar carne congelada. Em Israel, o governo tomou a decisão de parar de importar animais vivos. Temos um decreto que até setembro de 2019 Israel vai parar de comprar carne viva. O mercado de Israel de carne congelada pode superar US$ 200 milhões ou US$ 300 milhões por ano. Quando se matam os animais, eles são exportados em geladeiras gigantes em temperatura de 1 grau.

Agência Brasil: A possibilidade de um acordo comercial entre Brasil e Estados Unidos poderia ter a ajuda da comunidade de Israel que vive em território norte-americano?
Yossi Shelley: Vocês exportam 25% do alumínio e do ferro para os Estados Unidos. Há alguns meses os Estados Unidos aplicaram taxas sobre isso. Quando há relações boas, é possível fazer um acordo como o Mercosul [bloco que reúne Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai). Pode-se pensar em um pequeno Mercosul sem taxas. Quer saber quanto vale isso? Bilhões. É preciso aprofundar as relações, aprofundar os negócios, fazer delegações de empresários, pensar na votação da ONU, apoiar Estados Unidos, apoiar Israel. Essas coisas que os amigos fazem.

Agência Brasil: Poderia explicar como seria a cooperação dos dois países na área de satélite?
Yossi Shelley: Vocês têm a Base de Alcântara. Pode haver uma parceria entre os dois governos. Não somente comprarmos, mas construirmos juntos satélites. Porque o satélite está muito importante para a nossa vida. O celular que se usa, wifi, você pode olhar as fronteiras, olhar as pessoas, ouvir pessoas que estão andando na rua, com a ajuda do satélite. Isso é muito bom para a segurança, para a vida, para a educação. Com satélite, você quer fazer cirurgia de longe. Se tem satélite, pode fazer isso.

Agência Brasil: Israel pode enviar técnicos e tecnologias?
Yossi Shelley: Não queremos vender. Temos 200 empresas que trabalham no Brasil. Por exemplo, temos duas empresas de segurança israelenses-brasileiras. Essas fazem um volume de negócios superior a US$ 200 milhões. Esse dinheiro não entra em Israel. Vendem para a Tailândia. Existem seis empresas israelenses na área de segurança cibernética. Algumas são parceiras com empresas brasileiras. 50% do Brasil, 50% de Israel. Quando recebem dinheiro, não vai para Israel. Por isso, isso toma um volume de recursos muito grande que fica aqui. Poderemos fazer um projeto, dois projetos, de dessalinização. O projeto vai ser US$ 3 bilhões para Israel, US$ 1 bilhão para o Brasil. Significa que você perde? Não. Não olhe esse negócio centavo a centavo.

Agência Brasil: Ampliar a segurança de fronteiras passa por aperfeiçoar o uso de tecnologias?
Yossi Shelley: Primeiro, fazer a inteligência, saber onde há pontos sensíveis porque, nesses 17 mil quilômetros, há lugares que ninguém não pode passar: rios, montanhas. Vocês têm uma fronteira gigantesca e podem usar carros sem motorista. Em outros lugares, coloca-se segurança. (Isto é)


Neto defende reajustar tarifa de ônibus, mas diz que pode não ter aumento em 2019


Neto defende reajustar tarifa de ônibus, mas diz que pode não ter aumento em 2019

Foto: Divulgação

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), reiterou, em entrevista ao Bahia Notícias, ser a favor do reajuste da tarifa do ônibus, mas condiciona a medida à renovação da frota. Neste sentido, não descarta a hipótese de não haver aumento se as empresas não aceitarem pôr novos coletivos nas ruas.

“O que eu quero é ônibus novo. É claro que estou aventando ter o reajuste. Agora, se não tem ônibus, não tem [reajuste]”, ressaltou o prefeito.

Neto afirmou que é “sem chance” ter um aumento de R$ 3,70 para R$ 4,30 como foi especulado. O chefe do Palácio Thomé de Souza estima que fevereiro deve ocorrer uma nova reunião com a prefeitura e empresários para tratar do assunto. (Bahia Noticias)


Governo Bolsonaro vai acelerar cancelamento de aposentadorias e auxílios irregulares


Governo Bolsonaro vai acelerar cancelamento de aposentadorias e auxílios irregulares

Foto: Reprodução / TV Globo

Os procedimentos de efetivação de cancelamentos de benefícios previdenciários e assistenciais irregulares devem ser acelerados no governo Bolsonaro. De acordo com o Estadão, uma Medida Provisória que será publicada em breve deve economizar R$ 17 bilhões com a revisão de benefícios fraudulentos.

O texto da MP vai aumentar a força-tarefa de análise do estoque de R$ 49 bilhões de benefícios com indícios de irregularidades apontadas através de rotas de auditoria, no entanto nem todos serão cancelados. Ainda conforme apurado pelo Estadão, o pente-fino também será feito nos pedidos que estão na fila de concessão de aposentadorias e auxílios.

Entre os cortes estão previstos o de assistência social para baixa renda, o auxílio-doença e o auxílio-reclusão. Essas mudanças já vinham sendo estudadas pelo Comitê de Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (CMAP) e foram aprofundadas pela equipe de transição do governo Bolsonaro.