Rui participa de aula de reforço escolar com estudantes de Lauro de Freitas

O governador Rui Costa participou, na manhã deste sábado (30), de uma aula de reforço escolar com alunos do Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP) – Tecnologia da informação e Comunicação (TIC), em Lauro de Freitas. Economista por formação, Rui ajudou os estudantes com dicas de Matemática.Após a aula, Rui visitou o Laboratório de Informática … Leia Mais


Mudança da chancelaria do Brasil para Jerusalém é técnica, diz embaixador de Israel

Yossi Shelley, embaixador de Israel, explica as implicações da transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém. (Foto: Marcello Casal Jr./ABr) O embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, afirmnou que a transferência de representações diplomáticas estrangeiras de Tel Aviv para Jerusalém deve ser observada sob ponto de vista técnico. Após a decisão dos Estados Unidos de … Leia Mais


Homem é encontrado morto no Bairro de São Roque em Amargosa

   A causa da morte é desconhecida. Na noite desta sexta – feira (29) um homem, indentificado por Edson Gonçalves dos Santos, foi encontrado morto no local conhecido como “Quebra Viola”, bairro de São Roque na cidade de Amargosa. De acordo com informações, a mulher da vítima é a principal suspeita e foi detida. O SAMU 192 … Leia Mais


Presidente da UPB ataca secretários e governo Rui Costa em grupo de WhatsApp: “isso não é aliança é traição”

Presidente da UPB, Eures Ribeiro, prefeito de Lapa, desabafa contra o governo de Rui Costa – Foto: Política Livre/Arquivo O presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Eures Ribeiro, fez um duro ataque ao secretário estadual de Educação, Jerônimo Rodrigues, a quem chamou de “decepção, fraco, incompetente e covarde”, entre outros adjetivos, por não … Leia Mais



Bolsonaro embarca para Israel neste sábado


                                                       Foto: POOL New/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro viaja para Israel na tarde deste sábado (30), onde vai se reunir com o primeiro-ministro do país, Benjamin Netanyahu. A visita prevê compromissos em Tel Aviv e Jerusalém, as duas cidades que estão no centro da polêmica envolvendo a embaixada brasileira. Esta será a terceira viagem oficial de Bolsonaro ao exterior desde que assumiu a presidência da República.

Um dos objetivos da viagem é retribuir a visita de Netanyahu ao Brasil na posse de Bolsonaro, em 1º de janeiro, que foi a primeira visita oficial de um premiê israelense ao Brasil. Na ocasião, ambos reafirmaram a intenção de fazer parcerias em diversos setores.

Logo após vencer a eleição, em novembro do ano passado, Bolsonaro prometeu transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, a exemplo dos Estados Unidos. Dessa forma, o Brasil reconheceria Jerusalém como capital de Israel. No entanto, até o momento, a mudança ainda não foi realizada.

Para Israel, Jerusalém é a “capital eterna e indivisível” do país. Já os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como capital de um futuro Estado palestino. A comunidade internacional não reconhece a reivindicação israelense de Jerusalém como sua capital indivisível.

Depois da repercussão da declaração de Bolsonaro,  que pode gerar retaliações comerciais de países árabes, o governo brasileiro tem sido mais cuidadoso ao abordar o tema. O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, informou que o governo estuda essa possibilidade, mas não deve anunciar nenhuma medida nesse sentido na visita a Israel.

Junto com Bolsonaro viajam: os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). Os senadores Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Chico Rodrigues (DEM-RR) e Soraya Thronicke (PSL-MS) e a deputada Bia Kicis (PSL-DF) também integram a comitiva, segundo o “G1”. Veja abaixo a agenda de Bolsonaro em Israel:

Sábado

13h – Partida de Brasília para Las Palmas, Espanha

23h20 (horário local) – Chegada a Las Palmas

Domingo

00h50 – Partida de Las Palmas para Tel Aviv

10h – (horário de Israel) – Chegada a Tel Aviv

10h05 – Cerimônia oficial de chegada a Isral

13h – Almoço privado

17h – Reunião privada com o primeiro-ministro de Israel

18h – Cerimônia de assinatura de acordos nas seguintes áreas: Ciência e Tecnologia, Defesa, Segurança Pública, Saúde e da Medicina (a confirmar).

19h10 – Chegada à residência do primeiro-ministro

19h15 – Declaração conjunta à imprensa do presidente Jair Bolsonaro e do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu

19h45 – Jantar oferecido pelo primeiro-ministro de Israel

20h – Jantar oferecido pelo ministro de Energia de Israel, Yuval Steinitz, aos ministros integrantes da delegação brasileira

Segunda-feira

09h30 – Visita à Unidade de Contraterrorismo da polícia israelense

09h40 – Demonstração de emprego da Unidade de Contraterrorismo da polícia israelense

11h10 – Visita à Brigada de Busca e Salvamento do Comando da Frente Interna de Israel

11h15 – Cerimônia de condecoração da Brigada de Busca e Salvamento do Comando da Frente Interna de Israel com a Insígnia da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul

12h20 – Almoço privado

16h50 – Chegada ao Muro das Lamentações

Terça-feira

08h30 – Café da manhã com CEOs de startups israelo-brasileiros

10h – Cerimônia de abertura do encontro empresarial Brasil-Israel

10h50 – Visita à exposição de produtos de empresas de inovação

11h40 – Visita ao Centro Industrial Har Hotzvim e à Mobileye

12h30 – Almoço com empresários

15h45 – Visita ao Yad Vashem, Centro de Memória do Holocausto

15h50 – Visita à Exposição “Flashes of Memory – Fotografia durante o Holocausto”

16h10 – Cerimônia de oferenda floral

16h35 – Visita ao Bosque das Nações

16h45 – Cerimônia alusiva ao plantio de muda de oliveira no Bosque das Nações

19h – Jantar privado

Quarta-feira

09h30 – Chegada à cidade de Raanana

09h40 – Visita à comunidade de brasileiros estabelecida na cidade

11h20 – Chegada ao Aeroporto Internacional Ben Gurion

11h40 – Partida de Tel Aviv para Las Palmas

14h50 – Chegada a Las Palmas

16h20 – Partida de Las Palmas para Brasília

20h40 – Chegada a Brasília (Noticias ao Minuto)




Bolsonaro diz que governo vai criar cartão-caminhoneiro


                                                                  Foto: © Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta (28) o lançamento do “cartão-caminhoneiro”, que vai garantir a compra de combustível, pelos motoristas de carga, sem a variação oscilante do preço do óleo diesel, uma das principais reclamações da categoria. “Teremos, daqui no máximo a 90 dias, o cartão caminhoneiro. O que é isso? O caminhoneiro passa no posto de combustível, ele vai pagar o preço do óleo diesel do dia. Isso é uma vantagem, garante a ele que seu frete não será consumido por possíveis reajuste no preço do óleo diesel [durante uma viagem de fretamento]”, afirmou o presidente.

O anúncio foi durante transmissão ao vivo, na noite de hoje (28), na página oficial de Bolsonaro no Facebook. Acompanhado do ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e de uma intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais), o presidente fez um balanço semanal do governo. A transmissão, que começou às 19h, durou pouco mais de 17 minutos. Entre os assuntos abordados, Bolsonaro destacou novamente a centralidade da reforma da Previdência para as contas públicas do país e disse que o pagamento de aposentadorias, no atual modelo, estaria comprometido a partir de 2022 sem as mudanças nas regras vigentes. Entre os assuntos abordados, Bolsonaro destacou novamente a centralidade da reforma da Previdência para as contas públicas do país e disse que o pagamento de aposentadorias, no atual modelo, estaria comprometido a partir de 2022 sem as mudanças nas regras vigentes. Bolsonaro citou a decisão recente da Petrobras, que anunciou que não haverá reajuste no preço do diesel em intervalor inferiores a 15 dias. O presidente voltou a afirmar, durante a transmissão, que pretende eliminar os radares de velocidade em rodovias federais do país, inclusive aquelas que são administradas por concessionárias privadas. “Nós não queremos mais novos pardais no Brasil, que visam a cobrança, a multagem eletrônica”, disse.

Para o presidente, o excesso de radares configura uma “indústria da multa”. “O que está acertado com o Tarcísio [Gomes, ministro da Infraestrutura] é que os contatos vencidos [de implantação de radares eletrônicos] não serão renovados”, afirmou. O presidente comemorou o resultado do leilão da Ferrovia Norte-Sul, na tarde de hoje, vencido pela concessionária Rumo S.A, representada pela corretora Santander, que ofertou R$ 2,719 bilhões pelo trecho de 1.537 quilômetros, que vai de Estrela d’Oeste (SP) a Porto Nacional (TO). “Vale a pena lembrar que essa ferrovia estava há 30 anos sendo construída e agora, com esse leilão, nós achamos que em dois anos, aproximadamente, ela seja concluída. Lembrando também que o último leilão de ferrovia foi há 10 anos, então é a retomada do transporte ferroviário do Brasil”, afirmou.

Nós queremos fazer convênios, intercâmbio com Israel para mandar nossa garotada para as mais variadas áreas, a questão de agricultura, irrigação para o semi-árido do Nordeste. Ver também a garotada para aprender algo sobre a psicultura no deserto, fazer também intercâmbio em ciência, tecnologia e inovação. Com embarque previsto para o próximo sábado, o presidente e uma comitiva de ministros e empresários farão uma visita oficial a Israel, no Oriente Médio. A viagem retribui a vinda do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que prestigou Bolsonaro durante a posse, no dia 1º de janeiro. Ao comentar sobre a viagem, Bolsonaro citou que sua agenda inclui questões relacionadas a tecnologias desenvolvidas em Israel, como projetos de irrigação e aquicultura no deserto e de dessalinização da água do mar. “Nós queremos fazer convênios, intercâmbio com Israel para mandar nossa garotada para as mais variadas áreas, a questão de agricultura, irrigação para o semi-árido do Nordeste. Ver também a garotada para aprender algo sobre a psicultura no deserto, fazer também intercâmbio em ciência, tecnologia e inovação”, afirmou.

Ao tratar da reforma nas regras de aposentadoria, Bolsonaro citou a indicação do deputado Marcelo Freitas (PSL-MG) para a relatoria da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, confirmada hoje pelo presidente do colegiado, Felipe Franscischini (PSL-PR) []. Caberá a Freitas a apresentação de parecer de admissibilidade da proposta de emenda constitucional da previdência, primeira etapa de tramitação do projeto no Legislativo. “A Previdência, como está posta no momento, ela quebra em 2022 ou até antes. Nosso déficit anual vai na casa das dezenas de bilhões de reais, e está insustentável o pagamento da Previdência”, afirmou.

Segundo Bolsonaro, “com toda certeza” os parlamentares farão “correções” no texto, e voltou a apelar pelo apoio do Legislativo, inclusive dando celeridade à tramitação do projeto. Durante a transmissão, Bolsonaro fez um breve comentário sobre recente desentendimento com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, relacionada às articulações do governo com o Legislativo. Para Bolsonaro, o desentendimento foi superado. “Página virada aquele problema de Jair Bolsonaro com Rodrigo Maia. Uma chuva de verão. Acabou, estamos em paz. Se Deus quiser, na minha volta de Israel, vou lá filar uma bóia na Câmara, com o Rodrigo Maia. Será motivo satisfação”, disse. (Notícias ao Minuto)




Guaidó é proibido de ocupar cargos públicos na Venezuela por 15 anos


                                                                 Foto : Boris Vergara / Getty Images

O líder oposicionista e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, foi proibido de ocupar cargos públicos por 15 anos, segundo anunciou hoje (28) o controlador-geral do país, Elvis Amoroso. De acordo com o funcionário do governo, foram encontradas inconsistências nas informações financeiras de Guaidó, que levaram à avaliação de que seus gastos não correspondiam ao seu nível de rendimentos.

Com isso, o órgão decidiu inabilitá-lo “para o exercício de qualquer cargo público ao cidadão pelo período máximo estabelecido por lei”.

Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Guaidó se autodeclarou presidente interino em janeiro. O ato foi reconhecido por mais de 50 países, incluindo Brasil e Estados Unidos.




Líderes de 13 partidos apoiam reforma, mas querem retirar BPC e rural do texto


-
Foto: J. Batista / Câmara de Deputados

Líderes de treze partidos que formam o bloco informal ‘Centrão’ divulgaram um documento em que apoiam a reforma da Previdência enviada pelo governo Jair Bolsonaro, mas ressaltaram que pretendem retirar dois pontos do texto: as mudanças no benefício assistencial pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda (BPC) e na aposentadoria rural.

Os partidos são: PSDB, DEM, PP, PR, PRB, PSD, PTB, SD, MDB, Podemos, Cidadania, PROS e Patriota. Juntas, essas bancadas somam 291 dos 513 deputados. Inicialmente, o movimento contou com líderes de 11 partidos, mais dois aderiram ao ato depois.

O grupo também afirmou que não vai permitir a “desconstitucionalização” generalizada da Previdência. Isso porque a proposta de Bolsonaro retira da Constituição algumas das regras para a concessão e o cálculo de benefícios, o que permitiria que fossem modificadas por projetos de lei. Para aprovar uma emenda à Constituição, são necessários três quintos da Câmara e do Senado – já projetos de lei podem ser aprovados apenas por maioria.

Pela proposta enviada ao Congresso, idosos de baixa renda receberão R$ 400 de benefício a partir dos 60 anos e só ganharão um salário mínimo (hoje em R$ 998) a partir dos 70 anos. Atualmente, o BPC é pago aos 65 anos, no valor de um salário mínimo, a partir dos 65 anos para pessoas que comprovam situação de miséria (renda per capita de até um quarto do salário mínimo).

Para os trabalhadores rurais, a proposta vai exigir idade mínima de 60 anos (para homens e mulheres). Hoje, as mulheres podem pedir o benefício aos 55 anos e os homens, aos 60 anos, desde que tenham 15 anos de contribuição – a proposta aumenta o tempo de contribuição para 20 anos.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que as mudanças propostas para o BPC e a aposentadoria rural “têm mais atrapalhado do que ajudado” a tramitação da reforma da Previdência. “Para mim, não é surpresa nenhuma. Era absolutamente previsível que os líderes trabalhassem para modificação ou retirada, ou seja lá o que for, porque vamos discutir isso dentro do Congresso Nacional, porque eles já tinham mostrado uma insatisfação, em especial as bancadas do Norte e do Nordeste, com esses temas específicos”, afirmou.

As legendas justificaram que “qualquer reforma previdenciária deve ter como princípios maiores a proteção aos mais pobres e mais vulneráveis” e, por isso, decidiram “retirar do texto a parte que trata de forma igual os desiguais e penaliza quem mais precisa”. A nota foi divulgada após uma reunião entre as lideranças partidárias. “Nós estamos cumprindo a nossa função, temos que defender os interesses dos mais desassistidos”, afirmou o líder do DEM, Elmar Nascimento (DEM-BA). (Informações: Estadão Conteúdo)




Planserv não envia representante à audiência na AL-BA e deputado Alan Sanches afirma: “Não podemos ignorar os problemas”


-
Deputado estadual Alan Sanches (DEM) participou da audiência pública sobre o Planserv – Foto: Divulgação

A audiência pública realizada nesta terça-feira (26), na sala da Comissão de Saúde e Saneamento Básico da AL-BA (Assembleia Legislativa da Bahia), cujo intuito era debater a atual situação do Planserv terminou sem respostas. O plano de saúde dos servidores estaduais não enviou representante. O vice-presidente da comissão, deputado estadual Alan Sanches (DEM), pediu aos dirigentes do Planserv, da Secretaria Estadual da Fazenda, do Governo do Estado, que em respeito aos mais de 500 mil credenciados e a classe médica, esclareçam os últimos impasses envolvendo o plano, que até pouco tempo era considerado referência.

“Só não podemos com uma sala cheia dessas ignorar que existem problemas, em especial após anestesistas, médicos chegarem ao extremo de paralisarem suas atividades por falta de pagamento, frisou o deputado, ao lembrar que “é preciso esclarecer se os atuais transtornos já não são consequências da redução da contribuição do governo ao Planserv de 4% para 2% na reforma administrativa, que significa menos R$ 200 milhões de repasse por ano para os cofres do plano”. Marcaram presença no debate representantes do Sindicato dos médicos do estado da Bahia (Sindmed) e do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb), que reafirmaram os problemas vivenciados pela categoria médica e pelos credenciados do plano.