Em edição do DO, governo publica medidas de acordo com caminhoneiros

O governo publicou em edição extra do Diário Oficial da União as três medidas provisórias prometidas pelo presidente Michel Temer em pronunciamento feito mais cedo. Logo após o anúncio do Palácio do Planalto, representantes dos caminhoneiros condicionaram a volta às atividades à publicação das medidas. A primeira delas reserva 30% do frente da Conab (Companhia Nacional … Leia Mais



Planalto reconhece que demorou para perceber gravidade de movimento de caminhoneiros

Temer durante fala na reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária, nesta sexta-feira (25) (Foto: Cesar Itiberê/PR) De forma reservada, ministros próximos do presidente Michel Temer reconhecem que a demora na reação do governo para perceber a gravidade da insatisfação dos caminhoneiros e do setor de transportes tem um motivo especial: o governo estava com todo o … Leia Mais


Como identificar um candidato honesto Waldir Santos

Ninguém compra votos com dinheiro do próprio bolso. Ou ele já roubou para isso, ou está fazendo um investimento para roubar quando assumir o cargo. O problema da compra de voto, parte importante do sistema brasileiro de corrupção, decorre de um pressuposto: o de que o político irá auferir vantagens, também indevidas, e assim o … Leia Mais


Lula autoriza PT a negociar alianças para o segundo turno


Lula autoriza PT a negociar alianças para o segundo turno

Instantes depois de visitar o ex-presidente Lula na prisão, na quinta-feira (17), a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que o líder do partido autorizou a sigla a negociar alianças para o segundo turno das eleições presidenciais. Para o primeiro, no entanto, o discurso sobre a manutenção da candidatura de Lula é mantido. “No primeiro turno, nós teremos candidato, será Lula. No segundo turno, ele vai vencer e queremos fazer uma composição. Se não for ele, nós vamos ver quem da esquerda foi para o segundo turno. Se lá na frente nada der certo, o presidente saberá encaminhar o processo junto com a direção do PT”, afirmou Gleisi à revista Veja. Lula está preso há 40 dias na sede da Polícia Federal em Curitiba – ele foi condenado a 12 anos e um mês de prisão no caso do tríplex do Guarujá. (Noticias ao Minuto)


Para sorte de Rui, adversários também não possuem perfil de ‘monstro’ político


Para sorte de Rui, adversários também não possuem perfil de ‘monstro’ político

Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias

O governador Rui Costa (PT) vive um momento “céu de brigadeiro” no processo eleitoral de 2018. Candidato à reeleição, Rui viu o adversário com maior potencial bélico, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), desistir de ser candidato e, como esperado, arrefeceu ligeiramente os ânimos para a campanha política. Para a sorte do governador, os adversários já postos não oferecem grande perigo do ponto de vista de articulação suprapartidária, como era esperado com ACM Neto. Não há, como costumavam definir o prefeito de Salvador, nenhum “monstro” político apto a participar do pleito eleitoral de 2018 – incluindo o próprio Rui, frise-se. A oposição disponibilizou três nomes, José Ronaldo (DEM), João Gualberto (PSDB) e João Santana (MDB), e nenhum deles é conhecido publicamente por ser articulador nato de apoios e construções políticas fortes, ainda que o ex-prefeito de Feira de Santana tenha um longo histórico de cargos públicos obtidos através das urnas. Nesse sentido, José Ronaldo é o mais experiente, mas está longe de ser uma ameaça real à construção do arco de alianças organizado em torno do projeto de reeleição de Rui. Já Gualberto não chega a ser um marinheiro de primeira viagem, entretanto não dispõe de uma musculatura política que permita alçar um voo consistente rumo ao Palácio de Ondina – o PSDB na Bahia é um partido pequeno e não mantém estrutura de diretórios locais para apoiar a tentativa de um tucano chegar ao governo sem alianças com outros partidos de oposição. João Santana vive uma situação ainda mais delicada. Não existe eleitoralmente e defender o legado do antigo MDB, no contexto do bunker de R$ 51 milhões ligado aos irmãos Geddel e Lúcio Vieira Lima, chega a ser uma tarefa hercúlea. Por enquanto, a oposição ainda busca unificar as candidaturas de José Ronaldo e João Gualberto. O “monstro” político ACM Neto deverá auxiliar na construção desse acordo e, por mais que atue nos bastidores, não deve transformar os aliados em potência eleitoral. Como se não bastasse a ausência de articuladores políticos natos na oposição e na própria atuação de Rui, sobram nomes com esse potencial ao lado do governador, a exemplo de Jaques Wagner e de Otto Alencar, reconhecidos até pelos adversários como grandes nomes do cenário político baiano. Rui tem grandes chances de ser reeleito. Inclusive pela falta de habilidade dos adversários em construir articulações políticas densas como as esperadas para o caso de uma candidatura de ACM Neto. Ah, em tempo, perdoem a falta de citação às candidaturas de João Henrique (PRTB), Marcos Mendes (PSOL) e Marcus Maurício (PSDC), mas a falta de competitividade impede que eles sejam contabilizados em análises de cenário mais próximas da realidade. (BN)


Ciro quer que Temer se candidate ‘para ver repulsa do povo a golpista salafrário’


Ciro quer que Temer se candidate ‘para ver repulsa do povo a golpista salafrário’

Foto: Pierre Duarte / A Cidade

Pré-candidato do PDT à presidência da República, o ex-ministro Ciro Gomes ‘lamentou’ o novo recuo de Michel Temer sobre possibilidade de ele se candidatar neste ano. “Eu gostaria que ele fosse candidato para ver o tamanho da repulsa que o povo brasileiro tem a um golpista salafrário que, na prática, é o que ele é”, disse Ciro em entrevista coletiva após debate com presidenciáveis promovido pela Unale (União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais), em Gramado (RS). O pedetista desmentiu suposto acordo de seu partido com partidos do chamado ‘centrão’ no Congresso, como PP e PR. “Não acredito muito nisso. É fofoca de jornal”. (BB)





Respeito e renovação política, ou servilismo e covardia? Reflexão Dr. Waldir Santos


Alguns políticos ainda não se deram conta do momento em que estamos. Mesmo os mais jovens, que não viveram o tempo em que o poderoso chefão, normalmente ocupante do topo da pirâmide da corrupção, definia quem ia ganhar as eleições, comportam-se como se estivéssemos na época dos chicotes que listravam lombos imbecis, em que no gabinete se decidia quem seriam os capachos eleitos para o parlamento e os postes escolhidos para o executivo.

A declaração dada à imprensa, em 09/05, pelo vice-prefeito Bruno Reis, mostra o escancaramento da humilhante relação entre candidatos inocentes, iludidos com a promessa de apoio e com palpites sobre imaginárias chances, e os “donos” dos partidos políticos. Acham insuficiente o controle pleno e nada democrático das agremiações que integram, cujas decisões são tomadas à revelia e sem respeito à militância, e lançam agora, como caciques modernos, seus gatázios sobre os partidos aliados, tratando-os como meros apêndices a serem explorados, ou, para usar a expressão histórica, como satélites, sempre a girar em torno do astro rei.

Com o objetivo de acalmar os parlamentares que, especialmente nestes tempos tenebrosos para alguns que sempre ganharam as eleições com dinheiro oriundo da corrupção, temem perder os privilégios do cargo, e que nunca foram eleitos sem os votos dos pequenos (exceto casos como o de Lúcio Vieira Lima, e hoje todos conhecem o motivo), o vice-prefeito anunciou um nítido “passa, menino” nos partidos que se atreverem a tentar eleger seus próprios deputados, recusando-se a servir de “escadinha” para manter os de sempre nas polpudas cadeiras do parlamento.

Em alguns partidos, especialmente os que têm dirigentes obediente$, isso pode ser fácil. Será, no entanto, que Bruno Reis combinou com os russos? Reconheço que ele tem meio$ para convencer alguns partidos a comporem o chapão, mesmo traindo os candidatos pequenos, que foram atraídos pela promessa de que o partido só coligaria com partidos sem deputados, formando chapinhas, nas quais eles têm chance de eleição, mas será que ele tem meios para obrigar os candidatos a confirmarem as candidaturas? Creio que não. Há alguns meses coloquei no ar o www.votovalido.org, onde descrevo a maldade feita com os candidatos inexperientes, que tradicionalmente servem apenas para reeleger os deputados, e percebi grande interesse e surpresa das pessoas para com as informações ali contidas, especialmente as que já disputaram eleição para deputado ou vereador.

E nós, os eleitores, atores principais desse processo, será que é isso que queremos? Estamos satisfeitos com os deputados que temos, e reelegê-los é o desejo do povo?

Bruno Reis precisa lembrar que os partidos pequenos, temendo a degola da cláusula de barreira, precisam eleger seus deputados, especialmente os federais. E assim têm orientado, e até imposto, as direções nacionais, por ser questão de sobrevivência. Além da arrogância ao mencionar os partidos como se fossem seus, chega o vice-soberano a citar possíveis candidatos, já lhes atribuindo o natural destino da derrota e a vergonhosa condição de “escadinha” anunciada. Não creio que a todos os citados falte dignidade e altivez, como parece supor o vice-prefeito.

A mesma estratégia tem sido anunciada no grupo da situação, e a mesma reação é adotada pelos partidos pequenos.

Somente nas convenções vamos ver quem se respeita, e quer, em sintonia com o povo, renovação, e quem está na política apenas para servir aos sabidos, curvando-se ao atraso.

Fonte: Waldir Santos,  Advogado da União e filiado ao Partido Verde.




MP diz que Geddel recebeu mais de R$ 100 milhões em vantagens ilícitas


MP diz que Geddel recebeu mais de R$ 100 milhões em vantagens ilícitas

Foto : Divulgação

A procuradora Claudia Sampaio, representante do Ministério Público Federal (MPF), apontou que o ex-ministro Geddel Vieira Lima recebeu mais de R$ 100 milhões em vantagens indevidas. A declaração foi feita durante o julgamento na 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que começou a julgar o recebimento da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o emedebista, seu irmão, o deputado Lúcio Vieira Lima, a mãe deles, Marluce, e outras três pessoas pelo caso do bunker de R$ 51 milhões encontrado em Salvador. De acordo com o portal jurídico Jota, a procuradora afirma que, de tudo que leu nos autos dos processos de Geddel, o político já “superou em muito” o montante. O julgamento também avalia o pedido de Geddel para ser solto. Ele está preso preventivamente desde setembro do ano passado. (M1)