Regiões sul e extremo-sul da Bahia têm ocupação de leitos de UTI acima de 90%


Hospital Regional Costa do Cacau, em Ilhéus (Foto: Divulgação)

A Bahia ainda luta para proteger o sistema de saúde local do colapso, comum à pandemia da Covid-19 em diversas partes do mundo. O estado vive a corda-bamba dos 80% de ocupação dos leitos de terapia intensiva (UTI) reservados para o tratamento da doença. E são as macrorregiões sul e extremo-sul que mais preocupam a gestão estadual, pois possuem as maiores taxas de ocupação de leitos de terapia intensiva (UTI).

Conforme dados do governo do estado, o extremo-sul baiano possui 15 leitos de UTI no Hospital Municipal de Teixeira de Freitas e 10 leitos de UTI no Hospital Regional Luís Eduardo Magalhães, em Porto Seguro. Nesta quinta-feira (9), segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), a taxa de ocupação na região chegou a 96%, se aproximando do colapso.

Na região sul, são 19 leitos de UTI em Jequié (Hospital Regional Prado Valadares); 50 em Ilhéus (11 no Hospital de Ilhéus, 10 no Vida Memorial e 29 no Hospital Regional Costa do Cacau); e 23 em Itabuna (3 no Hospital Manoel Novaes; 10 no Hospital Calixto Midlej Filho; 10 no Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães). Apesar do maior número de unidades, a situação não é muito melhor: a taxa de ocupação chegou a 92%.

As duas regiões, somadas, concentram 19.981 casos confirmados de contaminação pelo novo coronavírus, o correspondente a aproximadamente 35% do número total de registros da Covid-19 no interior da Bahia.

Procurado pelo Bahia Notícias, o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, afirmou que está trabalhando para desafogar os leitos nas regiões. “Amanhã, inauguro 20 leitos de UTI e 20 de enfermaria em Eunápolis. E 10 leitos de UTI em Ilhéus. Na segunda-feira, abrem 10 em Valença e 10 em Jequié, que são da mesma região sul”, contou o titular da Sesab.

OUTRAS REGIÕES

Na semana passada, a notícia de que Feira de Santana alcançou 100% de ocupação nos leitos de UTI preocupou e até mesmo assustou muitos baianos. A maior cidade do interior baiano, entretanto, faz parte da macrorregião centro-leste, que possui taxa de ocupação de 64% nas unidades de terapia intensiva. A Sesab não avalia esses números por municípios, mas sim por regiões.

Outras duas macrorregiões baianas também apresentam números menos “tensos”, abaixo de 70%. O sudoeste, onde fica a populosa Vitória da Conquista, tem a melhor taxa: 62%. O nordeste, região de Alagoinhas, alcança 67%.

A região leste tem 81% de ocupação dos leitos de terapia intensiva, concentrados em Salvador. No centro-norte, com unidades contratadas pela Sesab em Jacobina e Irecê, a taxa é de 80%. O norte, onde Juazeiro tem mais de 1.200 casos da Covid-19, alcançou 77% de ocupação. Por fim, a região oeste, de registros de contaminação concentrados em Barreiras e Luís Eduardo Magalhães, tem 75%. (Bahia Noticias)