Unidade de beneficiamento vai dobrar a produção de polpas de frutas em Palmas de Monte Alto


A população está cada vez mais consciente que cuidar da saúde é um compromisso com a qualidade de vida e bem-estar.  Nesse cenário, as frutas são fundamentais para alimentação saudável e devem ser consumidas diariamente. Atenta a esse nicho de mercado, a Associação das Mulheres Camponesas da Agricultura Familiar e Solidária (AMCAFS), do Município de Palmas de Monte Alto, Território Sertão Produtivo, aposta na produção de polpas de frutas sem adição de água ou conservantes.

 

A associação, que atualmente trabalha de forma artesanal na produção das polpas de frutas, está sendo beneficiada com a implantação da Unidade de Beneficiamento de Frutas, com investimento de R$171 mil. O projeto é executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com recursos do Fundo de Combate a Pobreza (Funcep).  

Nesta quarta-feira (4), o diretor-presidente da CAR, Wilson Dias, visitou a sede da AMCAFS, responsável pela marca FrutVida e verificou o andamento das obras de construção  da Unidade de Beneficiamento de Frutas.

 

“Este é o grande objetivo da CAR/SDR: apoiar essas iniciativas dos agricultores  e agricultoras familiares para que a produção possa ser dinamizada, com o melhoramento da tecnologia, com assistência técnica e com os investimentos em insumos, máquinas e equipamentos, para que eles possam, dessa forma, ter mais condições de  obter sucesso na sua produção”, explicou o Wilson.

 

Selma Neres Porto, coordenadora da AMCAFS, informou que a nova unidade de beneficiamento vai aumentar em 100% a produção: “Atualmente tudo é feito de maneira manual e artesanal, quando tivermos os equipamentos isso vai render muito mais. A nossa capacidade de produção hoje é no máximo de 200kg/dia. Com a unidade de beneficiamento pronta, a gente aumenta a capacidade de produção para  60kg/hora.

Além das polpas, as mulheres da AMCAFS também produzem bolo de mandioca e geleias. Ano passado, via Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE),

foram comercializados 3.578Kg de polpas, 7.088 unidades de bolos de mandioca e 55kg de geleia de goiaba. Hoje, em média, cada integrante da associação consegue uma renda mínima de R$985.

 

Outras visitas

Depois da visita à AMCAFS, Wilson Dias, junto com o prefeito de Palmas de Monte Alto, Manoel Rubens Vicente da Cruz, conheceu as experiências de produção de mandioca no assentamento Nova Esperança, e quintais produtivos de agricultores familiares que cultivam milho e algodão.

 

“Essas iniciativas são da maior importância, pois só com a produção, principalmente da agricultura familiar, é que vamos ter as condições de fortalecer a economia do nosso município, porque 50% da população moram no campo e toda nossa área demográfica é totalmente habitada, na sua maioria por pequenos produtores”, afirmou o prefeito.