BahiaGeralGiro de NoticiasNotícias

PM é punido por cantar para fãs

Após atender pedido para cantar, policial é afastado de suas atividades

Neste sábado(30) um policial militar viralizou nas redes depois de uma ‘apresentação’ em um bar cantando fardado “folha seca”, do ídolo Amado Batista. O vídeo foi gravado na noite da ultima sexta-feira e Amado Cigano como é conhecido afirmou que não esperava tamanha repercussão.

Wellington Ferreira o “policial cantor” estava de plantão na noite do ocorrido quando pararam para comprar uma agua e foi reconhecido pelos ocupantes que estavam no local.

“Eu e um colega estávamos com a viatura parada, em Itapuã, dando apoio, e descemos para comprar uma água. Quando tirei a máscara para beber, me reconheceram e me pediram para cantar” disse ele.

 

Reconhecido por ter lançado cds, fazer lives e shows, ele concilia a carreira Militar a musica a alguns anos, foi convidado para uma “palhinha” no karaokê do bar no bairro de Itapuã e prontamente atendeu.

“Eu não quis que pensassem que eu iria recusar por estar fardado. Tentei desconstruir essa imagem da ‘polícia opressora'”, disse. “A música veio para mim como uma ‘válvula de escape’; é minha terapia. Vejo muitos colegas passando por situações complicadas, de depressão e até suicídio, então sempre quis ser força, talvez até inspiração”, completou Ferreira.

O cantor foi aplaudido e encantou nas redes com seu vídeo cantando sorridente, com um copo na mão. O governo baiano defende a teoria de aproximar a PM a comunidade.

Mas, na prática, o policial Ferreira foi afastado da Operação Apolo, depois da denuncia do deputado estadual Soldado Prisco, criando um sentimento de injustiça entre praças. Nas redes sociais, colegas de farda lembraram que situações inusitadas envolvendo oficiais foram elogiadas em outros momentos, a exemplo de uma capitã sambando com o povo no Nordeste de Amaralina e um major que dança com Ivete Sangalo no Carnaval.

Lotado na 40ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Nordeste de Amaralina), com 11 anos de atuação, Wellington, de 40 anos, foi baleado no braço, em 2018, durante uma emboscada feita por criminosos. Algum tempo depois, começou a se dedicar à música. “Passei por momentos difíceis”, confessou.

Quando a arte chegou, então, ele optou pelo nome artístico que lhe trazia referências. “Amado”, porque cresceu ouvindo Amado Batista com os pais, e “Cigano” pela origem cigana da mãe. “Não fui criado com os costumes ciganos, mas quis trazer isso”, disse Wellington, que nasceu em Itabuna e cresceu em Nazaré das Farinhas, a cerca de 80 quilômetros de Salvador.

 

No início da tarde deste sábado(30), uma nota assinada por policiais militares informava o afastamento de Wellington das funções, o que chamaram de “injustiça”:

 

“Dois pesos, duas medidas.

SD da Policial Militar da Bahia é afastado da operação Apolo por interação com a comunidade.

O episódio ocorreu na noite de sexta feira (29) na região de Itapuã. Os PMs pararam para comprar e tomar água. Foi quando um fã reconheceu o pm, que nas horas vagas costuma cantar, e pediu para cantar um trecho de uma música.

O que causa indignação por parte de alguns praças foi o colega ter sido excluído da operação.

Tal situação não ocorreu, por exemplo, em momentos de descontração semelhantes com oficiais da corporação como demonstrado em vídeos de ampla divulgação. #pmba #operaçãoapolo #apolo #injustiça”. (InforBahia).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo